terça-feira, abril 20, 2004

Vê Estrelas?


“Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdestes o senso!” E eu vos direis, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

Olavo Bilac

Seria redundante falar sobre a bela vitória do Mengão sobre o Bacalhau, Fernando o fez com primor. Vou me ater ao ocorrido no ensolarado sábado. Nesse dia, fui ao CEACA-Vila para o bazar da pechincha dos promotores (meus alunos).

Depois de ser colocado pra vender doces e salgados por 50 centavos, e passar quase 3 horas tendo convencer aos passantes comprar uma iguaria, um bolo, uma guloseima, resolvi explorar a totalidade do bazar, que também oferecia roupas, calçados, cortes de cabelo e livros...

Livros?!!! Parei pra analisar as obras e lá encontrei coisas raras, valiosas e principalmente baratas. O “saldão” era simples, tudo por 1 real. E lá fui garimpar as obras e dentre elas encontrei os livros: CIBERCULTURA de Pierre Lévy, HISTÓRIA DA LOUCURA de Michel Foucault e BILAC VÊ ESTRELAS de Ruy Castro.

Evidente que agora estou devorando o delicioso livro do Ruy e a cada dia descobrindo que sou um fã incondicional a esse “bon vivant” carioca. O “Bilac vê estrela” é uma obra que mistura ficção a realidade, mergulhando no Rio de Janeiro de 1903 e das aventuras e desventuras do poeta na cidade. Como trama principal, está a cumplicidade de Bilac com José do Patrocínio e a relação com as figuras da época: Santos Dumont, Machado de Assis, Paula Ney, dentre outras figuras e o fascinio desta belle época, a possibilidade de voar.

Castro consegue nos transportar para o Rio de Janeiro do inicio do século XX, de forma leve e instigante. Parece que estamos acompanhando o estrábico Bilac pelas suas desventuras de poeta seja nos cafés da Colombo, como nas noites de boêmia.

Então, meu caro blogueiro não se faças de rogado. Fica aqui minha dica pro teu longo feriadão, entrar no universo do “Bilac vê estrelas”, depois venha comentar o que achastes.

CASTRO, Ruy - Bilac Vê Estrelas - Ed. Companhia das Letras - São Paulo/SP 2000
Postar um comentário