terça-feira, janeiro 24, 2017

Aqui Jaz Grafite - Pobre São Paulo


Antes


Depois

No sábado (14), o atual prefeito de São Paulo, João Dória, vestiu óculos de proteção, máscara e avental para apagar os desenhos de uma mureta da 23 de Maio usando um motocompressor.

A atitude do atual prefeito de São Paulo em mandar apagar a maioria dos grafites que coloriam a cidade de São Paulo é de uma violência sem igual.

De acordo com alguns periódicos, as grafitagens da 23 de maio representava um dos maiores murais abertos do mundo.

Afinal de contas, por que o PSDB fez isso? Qual o motivo desta destruição toda?

O projeto político vitorioso na prefeitura de São Paulo representa, no grosso modo, a volta de um projeto elitista, no qual as comunidades ficam efetivamente de fora.

Nada mais midiático e representativo para a classe trabalhadora paulista ao ver seu representante vestido de gari e ter varrido cinco minutos uma calçada, ou tê-lo visto iniciando a destruição das grafitagens.

É uma certa elite dizendo que a Cidade de São Paulo é dela, que agora a territorialidade da capital paulista não terá mais espaço para a grafitagem,

Vestido de gari, o prefeito diz didaticamente, de forma subliminar, a forma como ele varrerá da cidade este lixo (na sua concepção).

E dá um recado para os trabalhadores da prefeitura, esses pobres, pretos, pardos, garis, como é que ele deseja que as ruas, muros, calçadas seja limpos.

A maldita herança escravista em sua plenitude adaptada a nova ordem.

A leitura sobre essa atitude do prefeito é muito clara e em poesia

Aqui Jaz Grafite
Por Renato Motta
Apagaram os grafites daquela cidade grande...
Mas o que queriam mesmo era:
Apagar os sonhos,
Apagar a criatividade,
Apagar a liberdade,
Apagar a multiplicidade
Apagar uma manifestação cultural,
Apagar uma estética de rua,
Apagar as cores...
Apagar o que se via..
Apagar a resistência,
Apagar a utopia...

Só que tem uma coisa prefeito...
Sonhos não se apagam
Criatividade não se apaga
Cores não se apagam...
Manifestação Cultural não se apaga
Elas ficam latentes...
Mesmo reprimidas...
Mesmo repelidas
Elas transpiram
Escoam pelos poros da carne
Buscam sua válvula de escape
Panela de Pressão...
Eclodem em milhares de cores e sabores...
Explosão...
Eis que um dia a panela arrebenta
Revolução...

A luta... só está começando...

sábado, janeiro 21, 2017

O Mercado

Por Paulo Alexandre Filho

Dia desses tentando comprar refrigerante num mercado aqui perto:

- O senhor trouxe a garrafa? Essa aqui é retornável.

- Só tinha dessa à venda, mas não tem problema porque eu pago pela garrafa.

- Nós não vendemos dessa forma. Tem que trazer a garrafa.

- Tá, mas como eu poso ter uma garrafa retornável sem antes obter um refrigerante e a garrafa retornável?

- Comprando, senhor.

- Por isso eu quero comprar o refrigerante e essa garrafa retornável!

- Nós só podemos vender um refrigerante com garrafa retornável se o cliente trouxer uma garrafa retornável, que é retornável justamente por isso.

- Acontece, moça, que a senhora está me exigindo um retorno que não teve início.

- Como assim, senhor?

- Deixa para lá, não vou levar o refrigerante.

Moral da História:
Até comprar refrigerante pode ser um desafio à lógica e ao bom senso no Brasil.

quinta-feira, janeiro 12, 2017

O Papel e o Mar

Fevereiro é sinônimo de carnaval e vamos colocar uma luz literária sobre o samba enredo do GRES Renascer de Jacarepaguá, escola esta que tenho um carinho enorme por ter feito parte de sua bateria.

Com o enredo “o papel e o mar”, o carnavalesco Luiz Carlos Bruno deu asas a imaginação e vai promover um encontro imáginario entre dois personagens negros, não contemporâneos, da cultura e da história do país: a escritora Carolina Maria de Jesus e João Cândido, o “Almirante Negro”, líder da Revolta da Chibata.

Esse encontro se dá através de um bilhete lançado ao mar numa garrafa e cujo teor será a liberdade, a luta, a resistência deste povo sofrido. Os nós sendo desatados em versos e poesia cuja exaltação será as virtudes destes personagens da história brasileira sob a bandeira da luta por uma revolução contra a Lei da Chibata e das dificuldades impostas a quem tem essa tonalidade da pele. O ser negro!

Belo samba que merece ser escutado com carinho.

Enredo: "O Papel e o Mar"
COMPOSITORES: Claudio Russo, Moacyr Luz e Diego Nicolau

ALMIRANTE JOÃO
SOU CAROLINA DE JESUS
CARREGO PAPELÃO, VOCÊ NAVEGA SUA CRUZ
NA CORRENTEZA A SUA VOZ FOI MERGULHAR
EU FIZ DOS VERSOS A FORTALEZA PRA MORAR

SOU A FILHA DA MISÉRIA
VOCÊ NASCEU PRA GUERREAR
NÓS SOMOS A LIBERDADE
EU SOU PAPEL, VOCÊ É O MAR

SOBREVIVI NA ESCURIDÃO
SEM TER VOCÊ, INSPIRAÇÃO
ÔÔÔ DESATANDO OS NÓS
HOJE A RENASCER FALA POR NÓS

JOÃO
NEGRO FEITICEIRO
O TIMONEIRO CONQUISTADOR
CAROLINA É ALFORRIA
POESIA DA ALMA QUE SE LIBERTOU
NA LUTA CONTRA A TIRANIA
NA RESSACA DA AGONIA, RUBRO OCEANO
DRAGÃO DOS MARES
SEGUE A COSTEIRA GANHANDO LARES
NOSSA BANDEIRA, GUANABARA
O LEME DA REVOLUÇÃO
SALVE A NEGRURA, SALVE A BRAVURA
RESGATADA DO PORÃO

OH MESTRE SALA QUEM TE ENSINOU A BAILAR
UM MARINHEIRO SABE O BALANÇO DO MAR
A CHIBATA NÃO ESTALA MAIS
QUANTOS SONHOS GUARDA O VELHO CAIS

quarta-feira, janeiro 11, 2017

O Querer

Texto de Kíssila Rangel

As decisões tomadas em silêncio sempre foram perigosas, definitivas e também, por isso, as mais irreversíveis.

O cansaço toma conta de todos os milímetros daqueles músculos. A cabeça antes perturbada, agora calma.

O coração que antes palpitava, emudece....

Nem aquele som terminal de piiiii eterno pode ser ouvido.

O cansaço é tanto que até as máquinas da UTI estão de greve, não trabalham, pois não querem anunciar a morte daquele condenado.

O cansaço é tao grande, que nem dá pra dizer que tem um cadáver ali. E a alma, então?

Essa se esvaiu há tempos.

Não adianta correr com máquinas de choque, fazer massagem cardíaca.

Quando alguém decide morrer, a pessoa simplesmente morre.

quinta-feira, janeiro 05, 2017

Meu Corpo, minha punheta!

A quem pertence o nosso corpo?...

Não!

O caro leitor deste babilônico espaço virtual deve estar achando que estou perdendo minha sanidade mental!!

É isso mesmo que pergunto:

A quem pertence o nosso corpo?

A quem pertence o sabor do prazer? Da satisfação, da punheta, do gozo sublime?

De acordo com as matérias de periódicos, o Deputado Federal (e pastor) Marcelo Aguiar do DEM-SP (foto) acha que o meu corpo não me pertence e resolveu iniciar uma "Cruzada" contra a masturbação.

Alias nada tão apropriado de que denominar esse Projeto de Lei como: A Cruzada do Pastor Contra a Punheta Alheia.

Qual a estratégia do excelentíssimo parlamentar?
Apresentar um projeto de lei à Câmara em que propõe que as operadoras telefônicas vetem os sites de conteúdo pornográfico para que, desta forma, não tenhamos acesso aos conteúdos luxuriosos.

Com isso, o parlamentar acredita piamente que deixaremos de tocar uma bronha, que abandonaremos o famoso cinco contra um, que efetivamente não mais descascaremos o palhaço, como um vicio dos demônios e praticaremos o sexo livre.

Conforme palavras do próprio parlamentar em entrevista ao Jornal O Globo ele acha que há "viciados em conteúdo pornográfico e na masturbação", e continua que justificando que "estudos atualizados informam um aumento no número de viciados em conteúdo pornográfico e na masturbação devido ao fácil acesso pela internet e à privacidade que celular e tablet proporcionam, os jovens são mais suscetíveis a desenvolver dependência e já estão sendo chamados de autossexuais - pessoas para quem o prazer com sexo solitário é maior do que o proporcionado pelo método, digamos, tradicional".

Ou seja, do auto do panteão de sua concepção moralista e fundamentalista, o pastor-deputado resolve como um semi deus:

  • Definir o que posso ou não posso assistir na internet, mesmo tendo mais que 21 anos de idade;
  • Censurar as minhas escolhas;
  • Controlar a punheta alheia da população brasileira;

    Deixo meu apelo ao excelentíssimo parlamentar Marcelo Aguiar (DEM-SP). Escute as sábias palavra do Pastor Arnaldo sobre o referido assunto.

    Ser um Autosexual para aliviar a tensão é bom pra caramba!!!

    Ora bolas pastor, em vez de proibir, sugiro ao teu lado parlamentar que proponha a Legalização da Punheta!!!

    Babilônia Irmãos!!!!

  • quarta-feira, outubro 26, 2016

    Moscouzinha dos Guararapes

    Lá pelos idos de 1940 Jaboatão dos Guararapes ficou conhecida por Moscouzinho por ter elegido Manoel Calheiros, sendo o primeiro prefeito comunista da história do Brasil pelo Partido Comunista Brasileiro - PCB.

    Esta história está breve e ilustradamente registrada, no portal Curiosamente do Diário de Pernambuco. Acredito que existem estudos mais aprofundados sobre o tema, principalmente na historiografia.

    A característica do município de Jaboatão dos Guararapes engloba a presença de uma consistente classe operária, principalmente dos ferroviários como força política da da região.

    Mas a aliança do PCB foi com o PSD, legenda histórica da oligarquia brasileira com os donos de engenho e políticos conservadores e com uma presença evidente em Jaboatão.

    O contexto da Guerra Fria foi determinante para que o governador do Estado de Pernambuco, diminuísse os repasses de verba à Jaboatão, comprometendo a governabilidade do município na época.

    A imprensa também teve papel determinante no sentido de desqualificar o governo de Calheiros. Aliás este tem sido um papel histórico da mídia (jornais de grande circulação), criminalizando e estigmatizando Jaboatão como a Moscouzinha. Imaginem o impacto de que comunistas governavam um município de Pernambuco.

    E logo Pernambuco?!!! Estado no qual a Estrutura do Sistema Colonial Mercantilista prosperou através da escravidão, dos os Engenhos de Cana de Açúcar e da formação da elite aristocrata colonial.

    A aliança entre a classe trabalhadora e o patronato, consolidada por Manoel Calheiros, ficou comprometida e Jaboatão voltou a ser cenário de políticos conservadores, fisiologistas e usurpadores.

    Alias, qualquer semelhança não é mera coincidência do contexto que estamos vivendo hoje.

    Jaboatão terá no próximo domingo, seu segundo turno para o cargo de prefeito. Temos duas candidaturas que estão longe da Moscouzinha de outrora.

    Ambos candidatos são ruins, um está comprometido com o golpe ao nível Federal e o outro tem um histórico fisiológico e de desvios de verbas.

    E a pobre Jaboatão dos Guararapes, sentirá o peso de 4 anos mal geridos. Moscouzinha ficará na memória como um sopro da tentativa de uma justiça social.

    Fonte: http://curiosamente.diariodepernambuco.com.br/project/o-primeiro-prefeito-comunista-do-brasil-foi-eleito-em-jaboatao/

    quarta-feira, outubro 12, 2016

    A Vontade de Ser Flamengo Não Tem Limites

    Incrível como tem um clube de futebol de Pernambuco que só pensa no Clube Mais Querido do Brasil, o gigante Clube de Regatas do Flamengo.

    O ano de 1912 é histórico para o Flamengo, quando foi criado o seu primeiro elenco do futebol. Como o time deveria ter um uniforme diferente da equipe de remo, foi criado um modelo com quadrados em vermelho e preto que popularmente ficou conhecido como Papagaio de Vintém que foi utilizado até 1913.

    Por ter dado muito azar, a camisa foi substituída pelo uniforme Cobra Coral (que inclusive serviu de inspiração ao Santa Cruz que adotou o mesmo modelo, conforme declaração de Ilo Just, primeiro goleiro do santinha)

    Para a minha surpresa, o time de Pernambuco lançou um modelo que além de idêntico, está anunciado como camisa Papagaio.

    Diante destes indícios de fixação, só falta agora "eles" mudarem o nome para Sport Cube do Flamengo-PE.

    Caso o nobre leitor ainda esteja duvidando, basta ir na página deles, comprovar minhas palavras que você poderá comprar a camisa que está logo abaixo!

    Menos a original do Mengão!