sexta-feira, julho 30, 2004

O filme da hora


Breves comentários sobre "Fahrenheit 11 de setembro":

  • Acho que há diversas formas (politica, artística etc) de ver o filme e talvez isso seja a sua maior qualidade.
  • Moore usa argumentos pouco profundos para fazer críticas ao governo. A eficácia do seu discurso é diretamente relacionada a essa estrutura. Sem querer saber de grandes questões, ele mostra que o Bush é feio, bobo e muito mau. Para isso, edita aqui, brinca acolá, apresenta algumas teorias misturadas com alguns fatos. O diretor do filme, como os marqueteiros políticos, vão na exata profundidade dos pensamentos da opinião pública: alguns sentimentos e alguma informação mergulhados no senso comum.
  • No mundo da informação, o filme mostra como estamos desinformados. Isto porque nos acostumamos com as fontes mais próximas.

  • É um documentário engraçado, bem feito e envolvente. Sua intenção é criticar o governo Bush. Ponto. Como disse Dapieve: "Moore não é, como querem alguns, um paladino da luta antiglobalização e antiimperialismo. É, no fundo, tão americanocêntrico quanto seu suposto antípoda: Bush é mau porque faz chorar as mães de Flint, a guerra é má porque mata os filhos de Flint e, noutros filmes, a globalização é má porque desemprega os pais de Flint. Isso fica claro no tom quase xenófobo com que fala dos árabes (sauditas) ou no escárnio contra os países sem exército que compõem a tal Coalizão. Como, no entanto, os assuntos caseiros dos americanos afetam direta e dramaticamente o seu vasto quintal, é bom contarmos com Moore do lado bom da força." Vale lembrar: não há lado bom da força.

  • Coloquei nos comentários (para não ocupar muito espaço aqui) a íntegra da crônica de hoje do Dapieve.

    Postar um comentário