segunda-feira, outubro 13, 2003

10 perguntas da série "o que se passa pela cabeça de Manoel Carlos?"

O último capítulo de Mulheres Apaixonadas foi um dos piores já vistos. Na correria para dar um desfecho às centenas de personagens que criou, o autor se perdeu por completo. Há perguntas que martelam minha cabeça desde a fatídica noite de sexta-feira:

1- Por que a avó de Salete foi à festa de formatura da Escola Ribeiro Alves? E ainda por cima acompanhada das duas vizinhas da garotinha, a garota de programa e a pediatra, que a odeiam.
2- Já que foi à festa (inexplicavelmente), por que o trio supracitado foi o único núcleo de personagens que não teve direito a uma mesa durante a festa da Ribeiro Alves?
3 - Realmente, devia ter muito pouco lugar, porque Maneco colocou na mesma mesa Helena, Cesar, Lorena, Téo e Luciana. Na boa, por mais ricos e chiques que sejam os moradores do eixo Alto Leblon-Barra, alguém acredita em tal demonstração de civilidade?
4- Quem em sã consciência iria virar para o coleguinha do lado, durante a execução do hino nacional na festa de formatura, e dizer um texto manoelcarlista do tipo "sabe aquele livro que a professora Helena falou durante a aula? Então, saiu uma nova edição e eu comprei um para mim e outro para você"? Aceitando-se que esta cena de fato rolasse (o que eu, definitivamente, não aceito), seria possível imaginar que o agradecimento pelo presente fosse um beijinho sem sal como aquele que o personagem-sem-nome-criado-de-última-hora-para-desencalhar-marcinha deu na filha do doutor César?
5- Qual a relação de Manoel Carlos com o autor do livro supracitado para citá-lo em, pelo menos, cinco cenas no último mês da novela? E mais: por que em quatro destas cinco citações Maneco fez questão de frisar que o autor é de Niterói? Seria apenas uma forma de localizar o espectador ou uma mensagem subliminar do tipo "Estão vendo? Não é apenas a vovozinha má que mora em Niterói, nem a cartomante que descobre tudo do passado e do futuro (essa é de "Por Amor", a personagem de Suzana Vieira sempre falava nela) ou o piloto de helicóptero probetão (mais uma de "Por Amor"). Na terra de Araribóia também há seres superiores, mentes pensantes, homens dignos de morar no Alto Leblon". Eu, como filha da terra além-baía, fico extremamente comovida.
6- Se Gianechinni entrou no último capítulo para interpretar ele mesmo (um cara bonitão que gosta de pegar coroas-peruas), por que o nome do personagem era Ricardo e não Reynaldo?
7- Se no fim apareceram quase todos os casais da trama se beijando, por que Clara e Rafaela só deram um estalinho muito do sem graça e mesmo assim como Romeu e Julieta?
8- Por que ninguém demonstrou surpresa ou espanto quando Raquel revelou, durante discurso, que estava grávida de Fred? A mãe do morto chegou a abrir a boca em sinal de "ooohhh", mas não passou disso.
9- De onde a direção da novela tirou o casal de velhinhos que encontra Dóris na praia???? Eu não sou nenhuma netinha-que-odeia-idosos, mas depois de assistir àquela cena patética tive o ímpeto de correr para a casa da minha avó e estrangulá-la (ainda bem que moro em um edifício sem elevador e a preguiça de descer as escadas foi maior).
10- Uma das cenas mais esperadas da novela se transformou em uma das maiores decepções: o que foi a primeira noite de amor de Edvirgem???? Dieckmann fez uma cara de espanto tão grande para a câmera que tenho a impressão que o Marcos Frota entrou no set de gravação furioso e mandou suspender tudo, por isso a cena foi tão rápida.

Bom, tem muito mais coisa. Mas preciso voltar ao trabalho.
Postar um comentário