quarta-feira, junho 22, 2005

Como água que brota na fonte


Ontem, meio avesso aos fatos políticos que andam rondando o Brasil, resolvi depositar em minha bolsa o livro Como água que brota na fonte da poeta Laura Esteves e nos quatro percursos diários de onibus pelo Rio de Janeiro, passo o tempo lendo poemas, poemas, poemas.

Pois transcrevo um dos poemas que me chamaram a atenção:

BALANÇO
Por Laura Esteves

Na ponta do lápis
fiz nossas contas
Planilha perfeita
Tudo anotei:
créditos, dívidas,
empréstimos, receita.
Nada esqueci:
alegria, mentiras,
maus-tratos, carícias.
Na análise
custo-benefício
julgada em juízo
- que desperdício! -
Você não passou:
Deu prejuízo

ESTEVES, Laura - Como água que brota na fonte, Barcarola editora, pg 66 - São Paulo.
Postar um comentário