segunda-feira, maio 23, 2005

Fluminense X Bandeirante


”Na Imigrantes, o transito está normal,
pela Anchieta está normal,
Pra quem vem do litoral, não encontra retenção”


Não pense, o caro blogueiro, que estou me referindo a peleja entre clubes de futebol do Rio versus os de São Paulo, ou que este “poste” (taí, gostei da idéia dos postes – como a que iluminar minhas idéias) vai abordar a relação histórica das Entradas e Bandeiras que interiorizam a corrida pelo ouro e a violência contras os povos indígenas, em sua captura e escravização por um período significativo.

Quem aí não gosta de rock? E quem tem aproximadamente mais de trinta anos, se lembra da riqueza que foi a década de 80 em termos de rock brasileiro e hoje tão em moda em festas plocs 80, com a logomarca da Atari sintetizando tudo isso.

Naquele tempo havia uma radio que era cultuada entre os jovens pela sua peculiar programação, era a Radio Fluminense – A maldita – que incluía em sua programação os clássicos. Pink Floyd, Scorpion, Supertramp, Kiss, The Smith.

Mais que isso, a radio se preocupava em lançar as novidades que estavam aparecendo no cenário brasileiro – Celso Blues Boy, Paralamas do Sucesso, Barão Vermelho, Legião Urbana, Leo Jaime, dentre outras novidades que apareciam pelo Circo Voador. Se a década de 80 já era considerada perdida economicamente, isso não se aplicava em termos do Rock Popular Brasileiro.

“Canal de notícias 24 horas
A notícia em primeiro lugar
Em vinte minutos, tudo pode mudar(...)”


Mas a década de 90 veio e inesperadamente, a rádio Fluminense faliu e em seu lugar (dial) instalou-se uma rede paulista chamada Pan e que mais tarde viria a se rebatizar de Jovem Pan FM, especializada em tocar as pirombas da Dance Music.

Enquanto isso, os órfãos da Fluminense se indignaram, ficaram sem referência até o início do Século XXI quando um novo dial – 94,1 FM surge resgatando a extinta Fluminense FM. Pronto, ela havia ressuscitado, o rock seria relembrado, re-cultuado. Mas os tempos já eram outros, e a nova Fluminense não teve tanto sucesso quanto pensávamos e foi reestruturando sua programação incluindo rock e outras coisas, que descaracterizavam a antiga Maldita. (coisas da lógica de mercado)

”Corinthians e Santos vencem
Palmeiras e São Paulo perdem (...)”


Mas ontem descobri um novo golpe fatal na Maldita pois a rede Bandeirantes comprou o dial, e agora a antiga Fluminense transmite a FM Band News Fluminense transmite, sem parar, noticias, notas sem parar, sempre sob o aspecto de São Paulo, o máximo da participação carioca é no comentário de Broecha. – Só pra eles não ficarem excluídos, deixa o carioca falar um tempinho, um tipo de concessão, uma migalha.

Essa forma frenética de ficar transmitindo noticias, sem aprofundar, instantâneo, paulista em essência, cuspindo noticias sem parar me lembra uma música que foi muito tocada na antiga Fluminense com o saudoso Kid Abelha e os Abóboras Selvalgens.

“Só tenho tempo pras manchetes, no metrô
e o que acontece na novela, alguém me conta no elevador
Eu tenho pressa e tanta coisa me interessa, mas nada tanto assim”

Nada Tanto Assim


Fala sério, choque! O que me interessa se o Corinthians venceu ou se o Palmeiras perdeu, ou se o transito do Tietê esta fluindo ou não, se a cobertura e a linha jornalística da Band News Fluminense não contempla minha cidade, meu clube, meu Rio de Janeiro?
Postar um comentário