sexta-feira, dezembro 17, 2004

Luta de classes


De certa forma, foi o CD do Cidade Negra que fez sucesso com a entrada de Toni Garrido, que inovou o grupo dando uma linha mais melódica e mais pop pro grupo da Baixada Fluminense.

Nesse sentido, todas as musicas são exelentes e em particular LUTA DE CLASSE, que nem fez tanto sucesso na mídia mas que pros historiadores é muito interessante para ser utilizado dentro da sala de aula.

O Caro Blogueiro pode estar estranhando, mas ganhei este CD de amigo oculto em meu trabalho: "valeu a pena, he he, valeu a pena, sou pescador de ilusões"

LUTA DE CLASSE
(SAMUEL ROSA-CHICO AMARAL)


Tudo que eu posso ver
(Essa neblina...)
Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo que eu posso ver
(Essa fumaça...)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça
Mas eu quero te contar os fatos
Eu posso mostrar fatos pra você
É só ter um pouco mais de tato
Que fica claro pra você

Desde a antiguidade
As coisas estão assim, assim.
Os homens não são iguais, não são.
Não são iguais, enfim!

Daí toda essa história
Daí a história surgiu
Escravos na Babilônia,
Trabalhador no Brasil.
Tudo que eu posso ver
(Essa neblina...)
Cobrindo o entardecer
Em cada esquina
Tudo que eu posso ver
(Essa fumaça...)
Cobrindo o entardecer
Em cada vidraça

Mas veio o ideário
Da tal revolução burguesa
Veio o ideário, veio o sonho socialista.
Veio a promessa de igualdade e liberdade
Cometas cintilantes que se foram pela noite
Existirao enquanto houver um maior!

Daí é que veio a história
Daí a história surgiu
Escravos na Babilônia,
Trabalhador no Brasil.

Do antigo Egito à Grécia e Roma
Da Europa feudal
Do mundo colonial
Do mundo industrial
Na Rússia stanilista e all strips
Em Cuba comunista
E no Brasil?
E no Brasil, hein?

Daí é que veio a história
Daí a história surgiu
Escravos na Babilônia,
Trabalhador no Brasil.
Postar um comentário