segunda-feira, julho 01, 2002

E porque não fazer um poema?

Trem do Forró



Por Renato Motta

Tem forró no trem do forró
Que aponta noite adentro
Vai de cabo à rabo
Cabo, que acabo pedindo licença
Espichado pelo Recife do Marco
Alongado no xote do trilho
Ritmo do apito da zabumba

Tem forró no trem do forró
Folguedo matuto
O bom do bumbo de pífano
Lados em que as cidades passam
Sem pressa, ou vontade de chegar

Ritmos e sons
Percorrem por entre os vagões
Nos braços das linhas
Do que um dia
Já se foi em Pernambuco
Pela linha vazia
De um trem.....
Que hoje não tem mais.
Postar um comentário