domingo, agosto 03, 2003

As Fronteiras de Uma Cidade

Que titulo pomposo que inventei para um post. Que seja... Vamos a mais um ponto. Todas as cidades tem suas fronteiras... Sejam as geográficas... as políticas... E as sociais...

Pois vou me debruçar sobre esta última. Porque transito quase que diariamente sobre elas. E nestes cruzamentos encontro coisas interessantes, curiosas ou espantosas.

Na madrugada da terça, saindo do cinema depois de ver o Incrível Hulk Digital (Não perderei tempo escrevendo sobre esse película) me deparei com centenas de jovens, no desértico shopping. DOWN TOWN da Barra da Tijuca.

Vejamos, eram muitos adolescentes, namorando, paquerando. Me senti um intruso, um estranho, caminhando meio perdido entre eles.

Um som eletrônico rolando e muitos papos, gatinhas, patys, plays, pitys, etc...
E diversos cheiros, perfumes, essências exalavam e eu meio literalmente perdido no meio deles.

Tive a impressão de ver essência da artificialidade, de uma cidade cenográfica transformada em shopping center. Uma festa, uma reunião. Ali pude perceber que o mundo não era mundo, pois estava cercado, fechado e seguro com todos os seguranças e suas proteções. Coisas da Barra da Tijuca.

Cruzei as duas pistas da desértica Avenida das Américas e fiquei aguardando uma condução, eis que passa uma van para a favela do Rio das Pedras.

Dentro do veiculo, tocava o CD do "DJ Maluco" e os passageiros que iam entrando com os semblantes cansados, e ao meu lado um senhor que provavelmente passou o dia na cozinha de algum restaurante fritando comida.
É... estava realmente cruzando a fronteira.
Salto no meio da favela do Rio das Pedras e vejo os contrastes e principalmente as semelhanças, pessoas em bares, aniversários, o som do forró e do brega, valão com esgoto a céu aberto.

Distinguir e se relacionar com as fronteiras da cidade é um exercício de sensibilidade. Mas pra muitos, isso é impossível ou inadmissível.
A mim, somente transitar.
Postar um comentário