sexta-feira, dezembro 20, 2002

Dividido


Por Renato Mota
A partir de Carlos Drummond de Andrade

Nunca morei tão perto do mar
Teus coqueirais, o teu sol,
A tua brisa macia a bailar.
A perspectiva abstrata de amar
Olinda é apenas uma imagem em minha lembrança
Mas como dói.
Estou dividido
Metade de meu meio
Um no pé, o outro no rio
Não!!!!!
Não consigo mais escutar o ronco rouco do maracatu
De noite, rompe o estampido.. do silêncio
Faz-se a lua, transporta-se no céu
Uivo, pio, cio
Meus braços querem escoar
Pelas imagens da cidade.
Postar um comentário