terça-feira, novembro 06, 2007

FLAMENGO: Primeiro penta Campeão Brasileiro - A polêmica de 1987


Encontrei este texto no Blog Flamengo Net e acredito que ele é bem informativo sobre a polêmica que ronda os principais jornais e tvs do Brasil. Sobre o Penta Campeonato do Flamengo. Este texto é assinado por Gustavo de Almeida.

"Admito que sou contra qualquer discussão sobre o incontestável (pelo menos para seres humanos de bom senso e não para doidos varridos ou gente desonesta) título rubro-negro de 1987, conquistado em vitórias épicas sobre esquadrões como o Atlético Mineiro e o Internacional de Porto Alegre. Diga-se de passagem, diante de platéias gigantescas nos locais de jogos (sabe-se que a torcida do Atlético Mineiro é a maior de Minas mesmo e lotou sua metade do Mineirão naquela semifinal) e da atenção de todo o Brasil. Os torcedores mais novos conseguem acreditar realmente que a CBF é uma instituição tão proba e honesta quanto um convento de irmãs carmelitas descalças, por isso repetem a ladainha de que o Mengão é tetra como se fosse isto um mantra que lhes trouxesse paz, glória e tranqüilidade.

Eu decidi que, de agora em diante, tratarei como pessoa desonesta e sem escrúpulos todo aquele que não reconhece o Penta Rubro-Negro como legítimo. Quem tiver este comportamento, para mim, é igual a quem apóie a pizza do Renan, o Mensalão do Lula, os anões do Orçamento e o esquema PC Farias.

Para entender melhor o motivo de tanta veemência, um pouco de história: em 1987, a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), recém-criada da antiga Confederação Brasileira de Desportos (CBD), vivia grave crise financeira e um monumental descrédito. O campeonato do ano anterior tinha repetido os tempos da Arena (“Onde a Arena vai mal, um time no Nacional/Onde a Arena vai bem, outro time também”). Exatos 44 clubes haviam disputado o campeonato, que terminou com a justa vitória são-paulina. Mas o prejuízo amargado pela CBF ameaçava até mesmo a realização do certame de 1987.

Por causa disto, os treze maiores clubes do Brasil, liderados pelo sr. Carlos Miguel Aidar – então presidente do São Paulo – fecharam um patrocínio com a TV Globo e convidaram mais três clubes para formar um campeonato com 16 clubes. A CBF concordou com tudo. O campeonato começou já com grandes rendas, muito emocionante, com todos jogando contra todos e não divididos em grupos, sorteados de forma que um time grande jogava contra o Arapiraca e outro jogava contra um time grande.
Diante do sucesso iminente do campeonato, se irritaram os srs. Otávio Pinto Guimarães e Nabi Abi Chedid (nota: pessoas que inspiram VOCÊ, que ataca o título rubro-negro), que se mantinham anos no poder na CBF graças à estratégia (até hoje usada em algumas federações) de se apoiar em clubes pequenos. Tudo que Otávio e Nabi NÃO queriam era a autonomia dos grandes clubes que, com sua popularidade, não precisavam da CBF para organizar campeonato – como acontece na Europa, onde, por exemplo, a Premier League inglesa não é a mesma entidade que gere a seleção nacional.

Diante da oposição da dupla, os clubes grande criaram o Clube dos Treze e impuseram a criação de um campeonato com menos clubes. Se realizaram dois campeonatos paralelos, o Módulo Verde, do Clube dos Treze, com 16 clubes, e o Módulo Amarelo, organizado pela CBF com 15 clubes que haviam sido excluído do Clube dos 13. O módulo verde era a Copa União.
Quando já haviam sido jogadas cinco rodadas, a CBF impôs o cruzamento dos dois módulos, uma virada de mesa, um golpe que quem apóia só pode ser gente de má-fé. O vencedor do quadrangular, anunciou a CBF, seria o campeão brasileiro. Os dirigentes de TODOS os clubes que disputavam a Copa União recusaram-se a cumprir a determinação, mesmo porque a competição não era organizada pela entidade. Quando houve essa recusa geral dos 13, ainda não se sabia quem estava mais perto de ganhar. A Copa União – como foi batizada - começou em setembro, e seguiu normalmente até dezembro, assim como o tal campeonato promovido pela CBF.





A final da Copa União, como se sabe, foi disputada entre Flamengo e Internacional, vencida por 1 a 0 no Maracanã (no primeiro jogo o Mengão empatou em 1 a 1). No mesmo dia em que Flamengo x Inter jogavam diante de mais de 100 mil pessoas no Maracanã, Sport e Guarani decidiam o título do inexpressivo Módulo Amarelo.
No primeiro jogo, realizado em Campinas em 6 de dezembro de 1987, o Guarani venceu por 2 a 0. No jogo de volta, dia 13, em Recife, o Sport devolveu o placar.
A prorrogação terminou em 0 a 0.
Os dois clubes partiram para a decisão por pênaltis. Acabou em 11 a 11. Ninguém no resto do país, enquanto isso, tomava conhecimento dessa estranha e bizarra cerimônia. No Rio, se estampava uma paisagem vermelha e preta para todo o mundo com a alegria de Zico, Júnior, Leonardo, Aldair, Zinho, Renato Gaúcho e Bebeto.

Ninguém no país inteiro viu que os presidentes do Sport, Homero Lacerda, e do Guarani, Leonel Martins de Oliveira, entraram em campo e acordaram em dividir o título. Cansados de ver aquela patética decisão por pênaltis, apertaram as mãos e disseram ao árbitro maranhense Josenildo Santos que iriam dividir o título. E o jogo foi encerrado.
Só que em 21 de janeiro de 1988, o presidente do Conselho Nacional de Desportos, Manoel Tubino, veio a público afirmar que era o Flamengo, e não a dupla Sport-Guarani, o VERDADEIRO campeão brasileiro de 1987. A afirmação de Tubino contrariou a dupla que comandava a CBF, formada por Otávio Pinto Guimarães e Nabi Abi Chedid.
A zona se instaurou de vez quando, na hora de organizar o tal quadrangular bizarro, a própria CBF se embananou: quem é o vice do módulo amarelo, se Sport e Guarani dividiram o título? Quem vai pegar o Flamengo? Sim, a verdade é esta: o CRUZAMENTO, SE HOUVESSE, DEVERIA SER ENTRE O FLAMENGO E O VICE DO AMARELO, E NÃO EXATAMENTE CONTRA O SPORT.

Surgiu a proposta de Bangu e Atlético-PR, eliminados respectivamente por Sport e Guarani nas semifinais, participarem do torneio, que viraria assim um hexagonal. Não aconteceu. Sport e Guarani então fingiam que cumpriam a tabela e chegaram à decisão do que a CBF chamava de Campeonato Brasileiro. O primeiro jogo, em Campinas, no dia 31 de janeiro de 1988, acabou 1 a 1. O segundo, em 7 de fevereiro, em Recife, o 1 a 0 para o Sport. E a entidade o proclamou campeão. Quando gente da laia de Emerson Leão, diz, por exemplo, que “o Flamengo fugiu do Sport”, além de estar delirando, não conhece a História: o Flamengo não deveria enfrentar o campeão após a decisão, e sim o vice do módulo amarelo, que nunca existiu.
Isto considerando que o cruzamento era uma jogada imunda de Nabi e Otávio.




O minimamente correto nesta decisão estapafúrdia seria que o Atlético-PR e o Bangu decidissem quem era o vice e, um deles, ostentando tal condição, participasse da decisão. O jornalista Roberto Assaf, muito criteriosamente, lembra que ninguém defende o título que o Vila Nova de Minas levantou ao ganhar a Segunda Divisão de 1971, no primeiro ano em que a CBF tornou o Brasileiro oficial. O Vila ganhou o campeonato e foi sumariamente excluído da Primeira Divisão em 1972.
É verdadeiramente inacreditável como pessoas de razoável bom senso e pretensamente honestas podem apoiar uma barbaridade destas como se houvesse algo minimamente regular, legal, legalizado. Um cruzamento sem vices (aliás, talvez daí a implicância dos vascaínos, deveriam ser convocados para tal papel), um cruzamento decidido na quinta rodada com o campeonato em andamento, um regulamento assinado por todos, e MESMO ASSIM se diz que a CBF é quem decide tudo.

O papel dos torcedores do Sport é semelhante ao de alguém que cava uma vaguinha no serviço público sem concurso. Dizem que são campeões brasileiros de um ano em que não enfrentaram NENHUMA das grandes equipes do futebol brasileiro – o Vasco de Tita e Dinamite campeão estadual, o próprio São Paulo, o Santos, o Atlético Mineiro, o Fluminense, o Botafogo. Tal afirmação de que o campeão é o Sport DESONRA TODOS OS OUTROS CLUBES. “Como um time que não nos enfrentou pode se proclamar campeão?”, deveriam perguntar todos. É, talvez, a pior forma do jeitinho brasileiro, de conquistar sem fazer força, na canetada, o que os outros suam para conseguir. E tal mentalidade é propagada graças a uma manobra repugnante de seres lamentáveis que administravam a CBF – esta mesma CBF que hoje diz que “uma CPI do Futebol atrapalharia a Copa no Brasil”.
Portanto, peço às pessoas honestas, de bem, deste país: não ajude a propagar esta idiotice. O São Paulo é um grande pentacampeão, o primeiro a ganhar duas vezes o Brasileiro chato de pontos corridos, é um clube de estrutura internacional, mas não precisa de papagaiadas para ser grande, de consagrar idiotices que contestam o seu próprio passado de vanguarda, de formação do Clube dos 13.

Vamos dizer NÃO ao descaramento e ao cinismo. O FLAMENGO É PENTACAMPEÃO
Postar um comentário