segunda-feira, junho 26, 2006

Copa Gastronômica. Que venha Gana!


Creio que foi na Copa do Mundo de 1994. Sim, claro foi lá que a família Rodrigues da Silva (na qual faço parte) encontrou um meio peculiar de ver os jogos da Copa.

Sob o pretexto de "Devorar os adversários" e dando alguma utilidade prática a coleção de receitas de meu pai, criamos um procedimento básico para assistir aos jogos da seleção brasileira.

A regra é clara. Seja qual for o adversário, nos empenharíamos em procurar uma receita culinária deste país.

Há de se pontuar que não temos um livro dedicado a culinária mundial e nossa maior base de operação e pesquisa é a Internet - por sorte nossa difundida no Brasil a partir de 94 e que ainda hoje é a nossa maior fonte de receitas e pratos.

Aliás as dificuldades não se resumem somente ao prato a ser encontrado, mas em certas ocasiões, temos que nos tornar verdadeiros interpretes e tradutores de outras línguas para o português. Em paises mais distantes o espanhol, inglês ou francês é a base lingüística das receitas e para isso, temos que desvendar os mistérios culinários e principalmente dos temperos e especiarias nativas que o prato exige.

Assim em 1994 iniciamos uma vitoriosa Copa gastronômica que envolveu pratos da Suécia, EUA, Holanda, Itália, etc... Naquele ano nos consagramos campeões.

Em 1998, depois de outra maratona, confesso que o prato francês nos causou certa indigestão pois nosso esquadrão canarinho perdeu feio na final. Mas de toda aquela campanha, surgiram pratos deliciosos.

Por uma questão geográfica, em 2002 quebramos a tradição por estar locado e morando em Olinda, e não ter nossa tradicional torcida para dividir os custos desta produção e por estarmos sob o domínio culinário nordestino que dispensa essa nossa Copa Gastronômica.

Neste ano de 2006 o retrospecto foi interessante. Vejam os famintos babilônicos que iniciamos no primeiro jogo com a Croácia com um prato chucrute croata à base de repolho, recheado com carne e um tempero bem consistente e forte. Delicioso!

Contra a Austrália provamos a deliciosa feijoada australiana a base de frutos do mar, de certo que não é um prato comum e barato pela quantidade de lula, polvo, camarão e outras iguarias marinhas, mas que esse prato é bom, ahhh isso é!!!

No jogo entre Brasil e Japão foi bem mais simples preparar o sukiaki e o sushi, e os condimentos, temperos e os talheres de madeira. Realmente estava muito bom e o prato foi devidamente apreciado por cerca de 9 pessoas esfomeadas por gol.

De certo que encontrar pratos típicos da África é uma tarefa mais árdua e o de Gana maior ainda pois o inglês é a língua básica. A priori encontramos um prato de Abacate com amendoim, mas isso não seria legal, em termos gatro-intestinais então, por sorte encontramos com muita paciência e perseverança finalmente encontramos o Kentumere ou Kentonmire de origem ganesa. De fato o prato parece ser delicioso e aguardo ansiosamente o duelo entre Brasil e Ghana.

Se nossa seleção vai conseguir ganhar? Eu não sei. Só sei que o prato parece delicioso

Kentonmire
Ingredietes
media taza de aceite de palma o aceite vegetal 750 grs. de carne de guisar, o pollo, cortada en trozos muy pequeños agua, caldo de carne o concentrado de de carne de dos a cuatro tazas de bitterleaf fresco o seco, o varias tazas de espinaca o verdura similar (col, hojas de nabo, ...) medio kgr. de pescado seco ahomado, o salado, o una combinación de pescado fresco y seco una o dos cebollas picada de dos a seis tomates maduros, pelados y cortados (o tomates en conserva) un pimiento picante africano o jamaicano cortado (optativo) sal, pimienta negra, o pimienta roja una taza de egusi una cuchara de jengibre fresco, (o una cucharilla de jenjibre en polvo) o media cucharilla de nuez moscada fresca (o 1 cucharilla de nuez moscada en polvo) (optativo) varios okra (optativo) una taza de gamba fresca o langostinos, o media taza gamba o langostinos secos (optativo) media taza de jamón cocido, cortado en pequeños trozos (optativo)

Preparación
Si usted emplea bitterleaf seco o fresco: lávelo en agua fría y póngalos a remojo durante unas horas. Luego, córtelo en pedazos.
Si emplea espinacas: Límpielas y córtelas .
Si emplea cualquier otra verduras, límpiela y cortela en pequenos trozos.
Si emplea pescado seco, ahumado o salado, póngalo a remojo durante una hora o dos, y luego, córtelo en pedazos muy pequenos, quitando las espinas y la piel.
Caliente el aceite en una olla. Fría la carne hasta que se haga parcialmente, y entonces agregue unas tazas de agua, o caldo. Reduzca el fuego y cueza a fuego lento.
Añada el bitterleaf (o verduras) a la olla. Remueva y cueza a fuego lento durante varios minutos.
Agregue el pescado y la sal a la olla, junto con la cebolla y los tomates, y otros optativos como pimiento picante, la pimienta roja o negra, etc. Cubra la olla y continúe cociendo a fuego lento.
Cuando la verduras esté tierna, agregue los ingredientes restantes. (Egusi o okra le ayudan para espesar.)
Cocine a fuego lento, revolviendo a menudo (no añada más agua) hasta que quede un poo espesa.
Sirva con arroz o Fufu.
Postar um comentário