sábado, julho 09, 2005

Desertor


Por Laura Esteves

Tem dia que deserto de mim.
O fenômeno ocorre poucas vezes.
Decerto, porque sou forte por natureza.
Nesses dias, vago tonto na poeira.
Não atendo súplica nem pedido.
Perdido em meu mundo periférico,
viro seixas e torquatos,
viro pedra, viro seixo,
viro a vida a três por quatro.
"Louco!", escuto a minha passagem.
Então, estremeço e caio estático.
Querem saber porquê?
É que eu morro de medo
de hospital psiquiátrico.
Postar um comentário