quarta-feira, setembro 12, 2007

Recine e Banda Breve


Seguindo a orientação de Cynthia Lopes (Blogueira, poetisa e arquivista), estarei aprofundando minhas impressões sobre o que tenho visto pelo universo do Recine, além de uma dica de programação musical que recebi dela.

Ismar, de Gustavo Beck
O filme nos faz refletir sobre a questão da influencia da televisão nas vidas das pessoas.

A dinâmica fílmica apresenta imagens de um menino prodígio, Ismar, de aproximadamente 12 anos, que sabe tudo sobre cultura cinematográfica norte-americana. As imagens do arquivo particular do próprio Ismael mostra ele no Programa do Jô. Em contraponto a estas imagens, aparece uma televisão fora do ar, e uma pessoa mudando o canal.

Em seguida Ismar reaparece no programa o Céu é o Limite, que durante uma semana vai perguntando questões relativas ao conhecimento do desafiante – no caso o menino Ismael que declara ter o sonho de conhecer Holywood. As imagens em contraponto mostram um porão e as televisões fora do ar. Eis que, numa pergunta para o menino ele erra, sendo eliminado do programa. Em seguida aparece o Ismael de hoje, adulto com cabelo comprido e barba, cantando rock e fumando cigarro.

Achei interessante essa relação em que o cineasta evidencia o personagem enquanto sujeito da mídia, as imagens de aparelhos fora do ar, comparando a própria vida de Ismael que em um certo momento era a sensação da mídia e hoje está fora do ar, no limbo tentando, contraditoriamente ser sucesso na contra cultura O personagem principal, passou por uma transformação incrível.


Sambando nas Brasas, Morô?

Adorei esse filme, articulando a vida dos personagens com os principais acontecimentos na cidade do Rio de Janeiro entre 45 até os dias de hoje, sob a narração de um jovem contando a história de seus pais. O filme em preto e branco se misturava as imagens em preto e branco dos documentários da época.
Como o tio do narrador trabalhou na agencia de cinema informativa, a vida daquela família do subúrbio estava entrelaçada com os principais acontecimentos na capital federal.
As imagens e fotografias e a inserção dos atores tensão com Carlos Lacerda e o atentado, o cenário político, a história da Radio Nacional, a morte de Getulio, a posse de JK, a mudança da capital, o movimento da Bossa Nova.
Além disso, o filme contem entrevistas com historiadores, jornalistas, músicos, cineastas, dentre outros. Dando ares de documentário à ficção que se passava.
Muito bem construído o filme. Valeu meu voto como melhor filme.




* * Banda Breve * *
SHOW NA PRAÇA DO MÉIER
DIA 16/09
ÀS 18:00 Hs
Show ao vivo, um evento gratuito.
Venha conhecer a banda que, em breve, estará em todas as telinhas e rádios por este país, o mais legal do rock nacional!!!!!!!!!!!!!!!!!
Postar um comentário